terça-feira, 27 de agosto de 2013

Alemanha e a regata Kieler Woche 2012

Em nossa estada durante o mês de junho/2012 na Alemanha, além de mostrar a Alemanha para Maxi, fizemos um roteiro para as cidades onde havia vida náutica e claro as lojas náuticas foram visitadas em Konstanz, Bremen, Hamburg, München e Kiel.


Essa escolha se deu porque com barco em construção só pensamos em escolher coisas para ele. 
Visitamos algumas cidades que tinham as lojas que só conhecíamos através de catálogos e internet (SVB, A.W.Niemayer). Buscamos produtos que não encontramos aqui no Brasil, pois na Europa não se busca preço baixo mas qualidade e produtos diferenciados, ao menos foi o que fizemos.

Encontramos produtos como mesa de cockpit, degraus para escada externa, suporte para motor de popa tudo em madeira Teka. O sino, lampião tudo muito diferente e carinhosamente analisado, em função do tamanho peso e finalidade, sempre aquele medo de não conseguir trazer nas mochilas, temos mais algumas coisas que estão guardadas para o momento oportuno, e outras que ficaram nos sonhos para a próxima viajem.                                                                                 
Como nosso assunto principal sempre foi em torno d’água, nesta viajem para a Alemanha não poderia ser diferente, além de navegar no Lago de Constança, a Maxi achou no guia alemão o anuncio da semana de vela de Kiel, no Mar Báltico considerado o maior evento náutico da Europa, que sorte estar lá durante este acontecimento. Foi então que decidimos logo pegar o trem e visitar a cidade de Kiel. Por três dias passeamos pela orla náutica vivendo aquela festa. As regatas acontecem em diversos horários do dia e em diversas modalidades, é possível caminhar na orla e assistir as regatas de monotipo. É possível ainda, se inscrever e velejar como tripulante nos veleiros oceânicos. Optamos por participar do desfile/ parada náutica no encerramento do evento passando o dia a bordo do Navio Hamburg, para assistir a parada e regatas do dia da Kieler Woche/2012. 

Quando as primeiras embarcações começaram a aparecer foi tudo normal, já estávamos acostumados a movimentação de uma regata, continuamos no navio almoçando tomando uma caneca de cerveja. Mas de uma momento para outro avistamos milhares de barcos vindo em nossa direção naquele desfile sensacional! 
Ficamos emocionados demais realmente foi o auge da viajem, nunca havíamos sequer imaginado ver tamanha manifestação náutica ali nos nossos olhos era difícil de acreditar.

Todo o evento em Kiel foi fantástico e vale a pena conhecer, a regata Kieler Woche foi a visão mais emocionante que tivemos, bem como, a oportunidade de participar, e se maravilhar em termos de diversidade de barcos, ao que vimos tudo que flutua está sendo manejado por um velejador! 

Hoje já Sonhamos com o dia que nosso Arachane possa se juntar àqueles 5.000 barcos e desfilar para outros visitantes se maravilharem, como aconteceu conosco, com aquela imensa manifestação náutica! 





Toda a cidade de Kiel estava recebendo os visitantes para esse evento, para todos os lugares se via bandeiras da regata, camisetas, e demais suvenirs, tudo alusivo àquele evento náutico, as marinas ali a passos da calçada! Muitas pessoas circulando na cidade, hotéis, restaurantes bier gardem tudo lotado!





Todos podem ver o esporte náutico a seu alcance, as pessoas podem circular nas marinas, podem ver da rua as regatas era um espetáculo a cada passo.





        

Muitos barcos, muita vida náutica! 








Gostaríamos muito de que a vela fosse tão valorizada a ponto de mudar o pensamento dos leigos de que é privilégio, e sim que seja vista como escolha!
Tivemos o privilégio também de visitar nossos amigos queridos o Gerd e a Helga, alemães do Veleiro Lizard, eles que sempre nos incentivaram e com quem aprendemos a velejar na Lagoa dos Patos e no Oceano Atlântico, e que sempre nos dão maior apoio na construção do Arachane pudemos nos emocionar e passar dias ótimos com eles. 

Na compania dos nossos amigos conhecemos outro casal de velejadores alemães o Rainer e a Daphne do Veleiro Lojan, com quem fizemos ótima amizade e trocamos experiências, já que ele também acompanhou a construção do Lojan, o barco deles está numa temporada na Argentina.

Esse meio náutico de que tanto gostamos, une as pessoas e aproxima rapidamente sempre com assuntos comuns, e sempre há muito que conhecer e trocar idéias, é muito bom mesmo!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

15 dias longe do barco

Chegamos de Férias, ansiosos para ver como estava o barco! Afinal, foram 15 dias longe dele, e nem tivemos tempo para observar muito bem como haviam ficado as faixas pintadas no costado pois foram pintadas justamente no dia em que saímos. Esperamos a tinta vermelha ficar pronta, o isolamento ser retirado fotografamos e fomos para comemorar o ano novo junto com amigos navegadores.
Agora com a pintura das obras mortas (acima da linha d'água) concluída em todos os seus mínimos detalhes, chegou a vez de iniciarmos as instalações dos equipamentos:
-Trilho e caixa da gaiúta principal;
-Dog House fixo;
-Paiois;
-Tanques d'água e diesel;
-Leme;
-Pedestal da roda de leme;
-Instrumentos;
-Guincho de âncora;
-Vigias:
-Agulheiros, etc...
Cada um destes equipamentos, tem sua história particular de instalação, como o Arachane é um barco de aço, não é um barco de série como a maioria, é um barco muito diferenciado que está sendo construído e equipado de acordo com nossos sonhos e necessidades.  Na verdade um barco destes é uma grande obra de artesanato. Pouco a pouco, dia após dia, um novo ítem é planejado, construído  e instalado, e assim nosso sonho está se tornando realidade.

É uma satisfação muito grande construir este barco, planejar e curtir cada parafuso com o máximo de cuidado, pensando em todas as variáveis possíveis e com muito carinho e muita dedicação.







Por  não ser um barco produzido em série e por ser um barco diferenciado, e claro, por nós mesmos estarmos planejando e muitas vezes colocando a mão na massa, temos que pensar, repensar, em alguns casos fazer testar pensar, refazer , testar até conseguirmos chegar o mais próximo possível do ideal.







Ou seja na construção de um barco, são necessárias muitas horas de inspiração e muitas e muitas horas mais de transpiração, é o que estamos aprendendo a exercitar a paciência e conter a ansiedade.











quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Pintando as Faixas

A pintura está ficando pronta, e chegada a hora dos acabamentos e detalhes, por isto, após a pintura do convés, chegou a hora da pintura das faixas nos costados do barco.
Uma das grandes dúvidas que tínhamos, era de como seriam as faixas, largas, estreitas, uma, duas, etc... A única coisa que sabíamos, desde o início, a respeito das faixas é de que seriam vermelhas, para fugir um pouco do padrão, pois a grande maioria dos barcos é branca, com detalhes em azul, e porque a combinação das cores branca com vermelha é muito bonita e o barco que mais nos inspira para fazermos o nosso também é branco com faixa vermelha, o querido LIZARD.
Optamos por fazer uma faixa de 5 cm de altura logo acima da linha d’água e outra faixa, que ainda não sabíamos se seria, estreita ou larga, uma ou duas faixas, na altura das vigias do costado.  Um pouco antes da pintura, o Felipe simulou as faixas com fita crepe, então, por influencia dele optamos em fazer uma faixa estreita, no meio das vigias cegas, pois segundo ele, pinturas modernas estão sendo realizadas com faixas estreitas. E pelo visto ele acertou novamente. Ficou lindo.
Para a pintura das faixas, a primeira coisa que tínhamos que fazer, era novamente nivelar o barco, pois a faixa que seria pintada na linha d’água deve acompanhar perfeitamente esta linha, e a faixa superior, na altura das vigias cegas, acompanha a linha do convés. Com o barco nivelado novamente utilizando o nível laser, projetamos o laser no costado do barco, exatamente na linha d’água.


A partir daí pegamos uma trena e posicionamos ela na vertical entre o barco e o nível laser, para que o laser incidisse simultaneamente no costado do barco e na trena.


Assim, com o laser incidindo na trena e no costado do barco,  poderíamos subir exatamente 5cm o laser e determinar o limite superior da faixa.

Então agora tínhamos o limite superior da faixa da linha d’água. Para então pegar um lápis e marcar no costado esta linha. Estava marcada a faixa, que ficava mais larga na popa do que na proa, pois na proa o costado é quase vertical e na popa chega a ser quase horizontal. 
Repetimos a mesma operação no outro bordo.


Pronto! Só faltando mais uma vez o trabalho de isolar e lixar para então o Felipe pintar as faixas.

Na semana entre natal e ano novo, estávamos nos preparando para tirar uns dias de férias para velejar de Hobie Cat16, na Lagoa da Itapeva/RS e em Porto Belo/SC, e justamente no dia da nossa viagem, o Felipe estava pintando as faixas.
Atrasamos nossa saída para aguardar ansiosos ele terminar a pintura das faixas para então sairmos de viagem.



Durante toda a construção do barco, sempre fui eu quem acompanhou as etapas mais de perto, e cada etapa importante que era vencida eu fotografava e enviava via sms para a Maxi, mas desta vez foi o contrário, a Maxi que acompanhou de perto a pintura das faixas, pois eu ainda precisava providenciar algumas coisas, para o Guilherme e o Felipe continuarem trabalhando no polimento e alguns detalhes nestes 15 dias que estaríamos ausentes,  então, desta vez foi a Maxi que viu primeiro o barco com as faixas pintadas e me enviou via SMS.


Confesso que é muito melhor ver ao vivo, por sms não tem a menor graça, mesmo que seja com foto.








Então com as faixas pintadas carro carregado, fotos da novidade as lindas faixas do costado, engatamos o hobie cat16 na popa do carro, saímos para nossas merecidas férias, confiantes que no nosso retorno a pintura estara praticamente pronta e ansiosos por colocar a mão na massa montando o barco, instalando os tanques dágua, diesel, as vigias, o Dog House, Motor, Leme, etc... Para então pintar o fundo e colocar o barco na água, e dar continuidade as obras na água entre uma navegada e outra lógico.














sábado, 24 de dezembro de 2011

Embrulhado para presente, afinal é natal!!!

Após a pintura do costado chegou a vez da pintura do antiderrapante no convés.
Um dia cheguei no barco para acompanhar os serviços e encontrei o artista Felipe escutando música erudita enquanto calmamente demarcava  no convés os desenhos das superfícies lisas e das superfícies com antiderrapante Griptex.

As superfícies que permaneceriam lisas precisam ser meticulosamente isoladas com fita e papel pardo, para que no convés, tenhamos, como se fossem painéis antiderrapantes intercalados com frisos e superfícies lisas.





Então depois de todo o barco, convés, costado, cockpit, ferragens, estarem isolados, estava pronto para receber a pintura com o griptex nos próximos dias. Com a proximidade de algumas nuvens carregadas, o Felipe e o Guilherme cobriram todo o barco com diversas lonas, que combinadas com o costado,  isolado com papel pardo, ficou embrulhado para presente, afinal de contas,  estamos próximo do Natal. E para completar o pinheirinho já estava ali ao lado.
Para pintura do Antiderrapante, optamos por escolher uma tinta branca, com uma tonalidade levemente diferente da utilizada em todo o barco nas superfícies lisas, fizemos esta opção para diminuir um pouco o albedo do convés, e não agredir tanto nossos olhos nos dias ensolarados, escolhemos a cor branco gelo, que foi especialmente desenvolvida para nós, pois a Weg não tem esta cor de tinta em produção. A esta tinta, na hora da pintura, foi adicionado o Griptex, que é um aditivo composto de micro esferas de um polímero, e que deixa a superfície áspera, formando um antiderrapante. Muitos utilizam para isto areia ou micro esferas de fibra de vidro, mas estes não proporcionam uma superfície uniforme, como as realizadas com o Griptex, uma vez que estes outros precisam ser polvilhados sobre a superfície recém pintada. Uma das vantagens do Griptex é que ele é misturado a tinta e esta tinta é aplicada a pistola, deixando uma superfície homogênea, áspera o suficiente para evitar escorregões, mas não lixa e danifica qualquer calção de banho ou biquíni, como também não arranca o couro da pele como muitas vezes ocorre com os outros antiderrapantes.
Na sequência  foi realizada a pintura dos antiderrapantes, estávamos ansiosos para ver como havia ficado, se havíamos acertado a tonalidade, se a rugosidade do antiderrapante estava boa. Inicialmente eu tinha a impressão de que havia ficado um pouco escuro demais, mas tive que esperar até terça-feira, após a secagem completa da segunda demão da tinta P.U. aditivada com Griptex, para então o Guilherme cuidadosamente remover os isolamentos e então pudemos ver e sentir como havia ficado.
Mais uma vez, ficou lindo, muito bom, tanto a textura como a tonalidade da cor.






Enfim Dezembro chegou e o Veleiro Arachane se preparou embrulhado em sonhos, conquistas e objetivos realizados! Desejamos que o Papai Noel lhes tragam muita PAZ, ALEGRIA, SAÚDE, AMOR  e mantenha o RUMO DOS SEUS SONHOS SEMPRE COM VENTOS FAVORÁVEIS E UM PALMO D'ÀGUA SOB A QUILHA!!!
FELIZ NATAL!!!